Goebbels ou Marcuse?

Levando em consideração a primeira parte dessa série, muitos reconhecerão rapidamente os desvios do padrão libertário, na medida em que o Estado regula e proíbe diferentes formas de expressão (além da vontade dos proprietários privados em relação à sua própria propriedade). Esta observação é essencialmente correta, porém várias formas de expressão artística são reguladas sob o regime atual também, então isso também é uma lavagem). No entanto, se a regulamentação e a proibição de certas formas de expressão são um dado, então é certamente melhor que as formas mais degeneradas, culturais, marxistas e esquerdistas sejam proibidas do que aquelas que promovem valores ocidentais tradicionais, institucionais e outros conceitos de direita. Assim, a regulação de expressão fascista de direita é preferível à regulação da expressão que existe em nosso atual clima de Justiça Social forçada pelo Estado.

Estatista é Você Democrata Libertino!

Além disso, muitas vezes a direita confunde (e incorretamente) a Nação com o Estado. O sentimento nacionalista de uma população não se traduz necessariamente em um sentimento pró-Estado. De fato, o fascismo tende a promover a ideia de “família” e “comunidade étnica” primeiro. Isso apresenta um limite rígido na expansão do Estado. Isto está em contraste distinto com outros Estados globalistas, como os EUA, que afirmam que todas as pessoas de qualquer origem podem cair sob as “proteções” e “jurisdição” de uma democracia “humanitária” global. Assim, não há limite ideológico para o tamanho do Estado atual. Esta é uma das várias razões pelas quais o nacionalismo é mais propício do que o globalismo e cosmopolitismo.
Assim, a promoção de famílias nucleares fortes, o etno-nacionalismo e outros valores ocidentais tradicionais certamente dão ao fascismo uma vantagem sobre o atual Estado globalista e culturalmente marxista. Tais valores e instituições representam as condições socioculturais que permitem o estabelecimento e sustento da liberdade.
 

“Não se pode negar que o fascismo e movimentos semelhantes que visam o estabelecimento de ditaduras estão cheios das melhores intenções e que a sua intervenção salvou, por ora, a civilização européia. O mérito que o fascismo conquistou por si só viverá eternamente na história.”


Ludwig von Mises

Fascismo PaleoLibertário – 1° Parte Introdução ao Regime

 
Anúncios

3 thoughts on “Fascismo PaleoLibertário Parte 2° – Liberdade Individual”

Comente! Apreciamos qualquer feedback 👌

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.